Corte de bolsas de pesquisa no CNPQ representa o fim da pós-graduação brasileira

Caso as 84 mil bolsas de pesquisadores forem realmente cortadas em setembro, como anunciou o ministro da Educação, Abraham Weintraub, só restará ao Brasil uma posição subalterna de receptor de conhecimento no mundo, não mais de produtor 17 de agosto de 2019

Impossível exagerar a gravidade da ameaça contra o CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Não são apenas milhares de pesquisadores que ficarão sem bolsa – para muitos deles, a única fonte de renda – e milhares de projetos sem continuidade. Não é apenas a quebra unilateral e arbitrária de milhares de contratos, que tinham gerado expectativas e investimentos pessoais (abandono ou recusa de oportunidades de emprego, mudanças de cidade, esforços de qualificação) agora ameaçados de se tornarem inúteis.

Isso já seria suficientemente grave, mas há mais. O desmonte do CNPq – fala-se até de sua extinção – representa um golpe fatal na pesquisa e na pós-graduação no Brasil.

Vamos abrir mão de vez da expectativa de sermos um país soberano e nos acomodar passivamente à posição de receptores de conhecimento produzido alhures? Vamos aceitar o aniquilamento da nossa inteligência? Vamos ficar como espectadores do avanço científico e tecnológico? Vamos negar a nós mesmos a possibilidade de construir um projeto de nação? Vamos abraçar de vez o atraso e o subdesenvolvimento?

A destruição da pós-graduação e da pesquisa terá um efeito cascata nos outros níveis de ensino, fazendo decair ainda mais a qualidade da educação oferecida no Brasil. É a política de quem antevê um país de trabalhadores subqualificados, com uma formação precária sendo fornecida para uma pequena casta de gerentes e os filhos da elite indo de novo se ilustrar no exterior – agora não mais Coimbra, provavelmente, mas algum lugar na América do Norte.

Será que nossa classe dominante se tornou tão tacanha, tão limitada, que entrou toda de cabeça nesse projeto?

Não acredito nisso. Há, claro, uma parcela de fanatizados, de imbecilizados pelo ódio, que acreditam que o conhecimento é uma forma de perversão, que as universidades são antros de drogados e devassos, que Olavo fornece o alimento intelectual necessário e suficiente. Mas não são a maioria.

Mesmo entre setores que aceitam o bolsonarismo como instrumento para efetivar retrocessos, há muitos que não compactuam com a destruição do sistema de pesquisa e ensino construído ao longo de décadas. Falo de uma parcela do empresariado, da mídia, da elite política. E, claro, das classes médias, que continuam querendo ver seus filhos na universidade, de preferência pública, recebendo formação de bons professores.

A defesa do CNPq – e, por consequência, da pesquisa científica e da pós-graduação no Brasil – é um teste para ver se esses setores estão rendidos de vez ou são capazes de se somar à resistência em pelo menos algumas questões básicas. Nossa tarefa é apontar a gravidade do que está acontecendo, esclarecer as implicações da agressão ao CNPq e estabelecer as condições de uma ação ampla e efetiva, capaz de revertê-la.

Entidades em defesa da ciência brasileira *

Após o anúncio dos cortes no orçamento e da suspensão das bolsas, a Associação dos Servidores do CNPq (ASCON) e o Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais da Carreira de Gestão, Planejamento e Infraestrutura em Ciência e Tecnologia (SindGCT) publicaram nota em defesa do CNPq e a favor da valorização da ciência no Brasil. Confira abaixo o documento na íntegra:

*Luis Felipe Miguel é professor da UNB (Universidade de Brasília) e coordenador do Demodê – Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades.

*A nota da ASCON e do  SindGCT em defesa do CNPq não faz parte do texto do professor Luis Felipe Miguel. A publicação foi adicionada pela redação do Site Avoador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *