Jeanne Baret é homenageada com um Google Doodle

Baret é a única responsável pela descoberta europeia da agora famosa videira de buganvília enquanto a equipa estava parada no Brasil 27 de julho de 2020 Da Redação

O Google Doodle desta segunda-feira, dia 27 de julho, celebra a botânica e exploradora francesa Jeanne Baret no 280.º aniversário do seu nascimento. Em 1766, Baret partiu da França a bordo do navio Étoile como parte de uma expedição exploratória e, ao regressar, fez história como a primeira mulher a circunavegar o mundo.

Jeanne Baret nasceu em 1740 na cidade histórica de Autun, no centro de França. Graças a uma educação rural, tornou-se especialista em identificar plantas e ganhou reconhecimento como especialista local em medicina de plantas. No início da década de 1760, começou a trabalhar para o conhecido botânico Philibert Commerson.

Quando a França organizou a sua primeira circunavegação do globo em 1765, Commerson foi convidado como botânico do grupo. As leis francesas impediam as mulheres de embarcar em navios da marinha; portanto, para servir como assistente, Baret vestia-se com roupas masculinas para parecer um homem. O par recolheu mais de 6.000 espécimes de plantas durante a viagem.

Hoje, muitos acreditam que Baret é a única responsável pela descoberta europeia da agora famosa videira de buganvília enquanto a equipe estava parada no Brasil. Na arte do Doodle, retratada, está uma flor de buganvília, envolvendo uma pensativa Baret a bordo do Étoile.

Os tripulantes descobriram que Baret estava se vestindo como um homem no Taiti, e ela e Commerson terminaram a sua jornada na ilha Maurícia em 1768. A botânica permaneceu nessa ilha por muitos anos antes de finalmente regressar à França, o que marcou a conclusão oficial da sua circunavegação.

Jeanne Baret morreu em 5 de agosto de 1807, aos 67 anos, na pequena comuna de Saint-Aulaye, na região da Nova Aquitânia, com o único reconhecimento público de ter sido a amante do naturalista e botânico Philibert Commerson. Foi preciso que se passassem dois séculos para que o reconhecimento mundial da sua façanha de circum-navegar o mundo e das suas descobertas lhe valesse a justa fama que nunca teve em vida. Foi a publicação do livro O Segredo de Jeanne Baret (2010), da escritora Glynis Ridley, que tirou do anonimato a vida aventureira e o legado de uma grande mulher da ciência.

Em 2012, Jeanne Baret recebeu finalmente uma honra botânica que perseguiu durante toda a sua vida, quando uma planta recém – descoberta do género Solanum – que inclui batatas, tomates e berinjelas – recebeu o nome de espécie baretiae. Ela serviu então de inspiração para gerações futuras de exploradores de botânica, especialmente de mulheres que tivessem interesse em estudar a natureza.

Fonte: Rubinero

Foto: Reprodução Google

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *