Mulheres com filhos pequenos são as mais afetadas na pandemia

Pesquisa identifica que 35% das brasileiras perderam empregos em crise sanitária, incluindo as trabalhadoras informais 23 de agosto de 2020 Da Redação

As famílias brasileiras em geral perderam uma parte da renda durante a pandemia da covid-19. As mulheres com filhos pequenos foram mais prejudicadas, perderam renda e trabalho. Entre as mães com filhos pequenos, 39% perderam o emprego e 52% perderam renda. As mães foram 16% mais demitidas e suas famílias perderam 21% mais renda do que a média das mulheres ouvidas.

Os dados são da Famivita, empresa que desenvolve produtos relacionados à fertilidade, que realizou uma pesquisa com 7.500 mulheres em seu site, entre 27 e 28 de julho.

O estudo aponta ainda que 35% das brasileiras perderam empregos nesse período, incluindo as trabalhadoras informais. Entre as mães com filhos pequenos, o percentual sobe para 39% – outros 52% perderam renda.

Também de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do IBGE, sete milhões de mulheres abandonaram o mercado de trabalho na última quinzena de março, quando iniciaram as medidas de isolamento social. São dois milhões a mais do que o número de homens na mesma situação. Enquanto a taxa desemprego entre as mulheres está em 14%, a dos os homens gira em torno de 12%.

Os dados identificaram ainda que que, sem o Auxílio Emergencial de R$600,00 fornecidos a adultos com renda baixa durante esse período, a situação seriam muito pior. Quase metade (46%) das mulheres entrevistadas responderam que receberam a ajuda do governo.

Elas receberam mais o auxílio no comparativo com os homens. A pesquisa identificou ainda que 57% das famílias com filhos pequenos recebeu o auxílio. No caso das mulheres e mães sozinha, o governo dobrou o ajuda, de R$600,00 para R$1.200,00, o que contribuiu para mitigar o problema da falta de renda.

No Brasil, essa parte de emprego e renda pelas mulheres é diferente por região e estados. O Norte e do Nordeste foram os lugares onde as mulheres mais perderam os empregos. No Amazonas, 61% das mulheres perderam o emprego, sendo o estado com índice mais alto. Já em Santa Carina, foram 28% das mulheres com o trabalho perdido, menor taxa da pesquisa. Mesmo assim, metade delas perdeu renda. O cenário é parecido em outros estados do Sul e do Sudeste. No Rio Grande do Sul, 31% perdeu emprego e 51% perdeu renda. Em São Paulo, 33% perderam o emprego e 49% a renda.

Domésticas e trabalho doméstico

Durante a pandemia, as mulheres que atuam como domésticas tiveram perda total da renda e a população do gênero feminino, em geral, passou a trabalhar mais em casa com o trabalho doméstico.

Cerca de sete milhões de trabalhadoras domésticas que foram imediatamente impactadas pela pandemia, especialmente as informais, que foram dispensadas pelas patroas sem o pagamento de qualquer valor para se manterem durante o isolamento social.

As mulheres que passaram a desenvolver os trabalhos em casa de forma remota foram impactadas ainda pela sobrecarga de trabalho doméstico. Não há divisão igualitária das tarefas da casa no Brasil.  A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) sobre Outras Formas de Trabalho 2019, divulgada em julho deste ano, demonstrou o quanto a mulher é responsável por assumir as responsabilidades dos a afazeres domésticos, enquanto o homem fica com atividade fora de casa. Com pandemia, essa situação foi agravada.

Fotos: Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *