Mesmo sem seringas, ministro da Saúde planeja vacinação em fevereiro 2021

Também nesta quarta-feira (16), o governo federal abriu 16 licitações para garantir a compra de 331 milhões de seringas e agulhas para aplicação da vacina 16 de dezembro de 2020 Felipe Ribeiro

Na manhã desta quarta-feira (16/12), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que, provavelmente, a campanha de vacinação contra a covid-19 começará em fevereiro de 2021. Segundo ele, isso dependerá dos laboratórios responsáveis pelas vacinas cumprirem todas as etapas burocráticas até o fim deste ano.

Ele também ratificou a necessidade de aprovação de eficácia e segurança dos imunizantes por parte da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). No entanto, com a liberação da solicitação por  o uso emergencial, aprovada no dia 10 dezembro pelos diretores da Agência, fica mais fácil a liberação, que é restrita a um público definido e  não substitui o registro sanitário. Por conta disso, a vacina da covid-19 não poderá ser autorizada a toda a população. 

“Dentro da pandemia, dada a velocidade de desenvolvimento de vacina, estamos diante de um outro modelo, que é o de uma autorização de uso emergencial que permita aos laboratórios distribuir vacinas a grupos específicos mesmo sem a conclusão dos testes clínicos e da avaliação de completa eficácia e de [possíveis] efeitos colaterais”, disse Pazuello.

Até o momento não há pedidos, mas, caso ocorra e este for autorizado pela Anvisa, haverá estudo para a situação.  “E, no Brasil, não há nem solicitação de registro, nem pedido de uso emergencial. Se um laboratório nacional ou estrangeiro solicitar e obtiver da Anvisa a autorização de uso emergencial, estudaremos que grupos poderão receber a vacina em quantidades limitadas”, acrescentou o ministro.

Por conta de movimentos antivacina fortificados pelo discurso do presidente, o assunto foi colocado em pauta. Diante dessa questão, ele respondeu sobre dizendo que apenas no uso emergencial será exigido a assinatura de um termo de responsabilidade. “Ele [o uso emergencial] fica limitado a grupos específicos, que são voluntários. Logo, se um laboratório solicitar e a Anvisa autorizar o uso emergencial de alguma vacina [antes que ela tenha cumprido todas as etapas burocráticas prévias ao registro], as pessoas que participarem terão sim que assinar o termo de consentimento. E somente nestes casos”.

Ele ainda aproveitou para dizer que não haverá obrigatoriedade da vacinação. “Não haverá obrigatoriedade por parte do governo federal em hipótese alguma, e sim campanhas que apresentem a todos o melhor a ser feito. A garantia [de eficácia e segurança] é o que vai fazer com que as pessoas sejam voluntárias”, enfatizou.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo (Estadão), nesta mesma quarta-feira (16/12, ) que foi lançado o Plano Nacional de Imunização (PNI), o Ministério da Saúde abriu 16 licitações para garantir a compra de 331 milhões de seringas e agulhas. Esses insumos são fundamentais para a realização da vacinação contra a covid-19. Por enquanto, o Brasil não tem nem vacina nem seringas suficientes para aplicar as doses do medicamento para controlar a doença que já matou mais de 180 mil brasileiros.   

 

Fonte: Agência Brasil/Estadão

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *