Mais de 6 milhões de testes da covid-19 podem ser descartados no Brasil

O presidente Jair Bolsonaro colocou a culpa nos estados e municípios 23 de novembro de 2020 Felipe Ribeiro

O Brasil pode ter que descartar 6,86 milhões de testes para a covid-19 por conta do prazo de validade. Essa quantidade é superior a já aplicada no país pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que é de cinco milhões

A informação, que foi divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo (Estadão), informou que os testes estão armazenados em um galpão de Guarulhos, região metropolitana de São Paulo. O tipo dos testes que podem ser perdidos é o RT-PCR, o mais preciso no diagnóstico do novo coronavírus. Eles identificam o vírus por meio amostras coletadas nas narinas e garganta. Os testes que estão parados custaram ao Ministério da Saúde (MS) o total de R$ 290 milhões. 

Em nota, o MS afirmou que o repasse dos testes depende das solicitações feita pelos estados. “Cabe ressaltar que os testes RT-qPCR são distribuídos de acordo com as demandas dos estados e que o Ministério se mantém à disposição dos entes para dar suporte às ações de monitoramento, diagnóstico, tratamento e acompanhamentos dos casos, além de incentivar as ações de prevenção e assistência precoce nos serviços de saúde do SUS”, diz uma parte da nota. Porém, segundo o Estadão, outro problema é a falta de outros equipamentos necessários para a realização dos testes e essa questão deve persistir.

O total de 96% dos testes que estão armazenados vencem em novembro e dezembro de 2020 e o resto deles no mês de março de 2021. De acordo com o MS, já foram tomadas medidas para que o prazo de validade seja aumentado. “A empresa Seegene, fornecedora dos testes ao MS, já está em contato com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o envio dos estudos, assim que disponibilizados pelo fabricante. Esses estudos serão analisados pela Anvisa, que é a agência que concede o registro de utilização do produto”. Caso o parecer técnico seja concedido, o órgão emitirá uma nota sobre à extensão da validade e quão seguro é a utilização dos testes.

Nesta segunda-feira (23/11), ao ser questionado sobre o caso por um seguidor em sua página oficial do Facebook, o presidente Jair Bolsonaro direcionou a responsabilidade dos testes para os estados e suas cidades.”Todo o material foi enviado para Estados e municípios. Se algum Estado/município não utilizou deve apresentar seus motivos (sic.)”, declarou.

Já o presidente Hamilton Mourão, durante uma conversa com jornalistas no Palácio do Planalto, declarou que a questão não lhe compete, mas sim ao MS. “Tem que buscar o esclarecimento lá com o Ministério da Saúde. Não estou ciente disso. Não é um assunto que passa por mim, não tenho o que declarar a respeito. Tem que ver lá com eles lá”, disse ele.

Foto de capa: David Oliveira/Guarani FC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *