Ex-funcionários da Cidade Verde fazem dois dias de protesto contra a empresa

Os trabalhadores estão revoltados por não conseguirem a rescisão contratual que dá direito ao Seguro Desemprego 26 de novembro de 2020 Brendon Eduardo

Nesta quinta-feira (25/11), ex-funcionários da Cidade Verde protestaram no Centro de Vitória da Conquista, próximo ao “Bigode do Pedral” na avenida Régis Pacheco. No dia 9 de novembro, a empresa demitiu 450 trabalhadores e, até o momento, não assinou a rescisão trabalhista da empresa que possibilita o direito ao Seguro Desemprego.
Na quarta-feira (25/11), um grupo desses trabalhadores foi até a sede da empresa para receberem a rescisão contratual, já que, em grupo de WhatsApp, a Cidade Verde teria informado que iria resolver a questão. “A Cidade Verde e o Sindicato dos Rodoviários, finalizaram na tarde de hoje (23/11), o Acordo para rescisão do Contrato de Trabalho dos funcionários, razão pela qual o pagamento da primeira parcela das verbas rescisórias serão pagas nesta terça-feira, dia 24/11/2020”, dizia o informe no grupo de aplicativo de mensagem.

No entanto, ao chegarem lá a rescisão não foi assinada. Na ocasião, o gerente da Cidade Verde, Tarcísio Vieira Cabral, alegou que não seria possível realizar a rescisão dos funcionários porque soube que o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Vitória da Conquista (SintraVC), Álvaro Silva Sousa, estaria “enfermo”.
O SintraVC, em nota, divulgada, nesta quinta-feira (25/11), disse que o atual presidente, mesmo em tratamento médico, realiza as atividades da entidade e que houve, na verdade, uma recusa da Cidade Verde em a assinar o Acordo Extrajudicial. Segundo o sindicato, a empresa reeditou o texto, o que descumpriu o acordado anteriormente em reuniões entre o jurídico, a diretoria da entidade e os representantes da empresa.
“A proposta de acordo extrajudicial feita pela empresa e apresentada por 02 vezes aos rodoviários em assembleias foi agora totalmente alterada pela empresa Cidade Verde, que acrescentou DIVERSAS cláusulas prejudiciais aos trabalhadores, entre elas, uma que determina a quitação dos débitos trabalhistas rescisórios com a assinatura do Acordo”, explicou a nota do SintraVC.

Os ex-funcionários estão revoltaram com o fato de não conseguirem a rescisão e protestaram também na porta da garagem da empresa na quarta-feira. A empresa não informou o prazo para regularizar a situação dos ex-funcionários.
Embora alguns conseguiram ser contratados pela empresa Atlântico Transportes, substituta da Cidade Verde, a grande maioria dos trabalhadores encontra-se desempregada e espera uma solução urgente para conseguir sobreviver. Por enquanto, dar entrada no Seguro Desemprego seria uma maneira de amenizar a situação.

Por Brendon Eduardo

Fonte vídeo / imagem: Blog do Caique Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *