Eleição Uesb: mais de quatro mil eleitores compareceram às urnas

A mesa de votação mais movimentada foi a da Biblioteca Central, onde professores e técnicos-administrativos depositaram seus votos 12 de abril de 2018

A apuração foi encerrada às três e meia da manhã desta quinta-feira, 12 de abril. O candidato Luiz Otávio, da chapa Renova Uesb, venceu com 61,09% dos votos. Em segundo lugar, ficou a Chapa 3 -Tempo de Replantar Sonhos, com 19,61%, seguida da Chapa 1 – Alternativa Acadêmica, com 17,23%. Como o voto não é unviersal, mas paritário, os votos têm um valor diferenciado,  de professores e técnicos o valor atribuido é 2/3 do total da eleição e dos estudantes 1/3.  Ao todo foram contabilizados 4.961 votos, 1.357  de  professores e  técnic0s-administrativos e 3.604 estudantes. Esse número de eleitores é maior que de 2014,  quando compareceram 4.617 votantes.

Votação

O dia de votação, 11 de abril, começou cedo em Jequié, Itapetinga e Vitória da Conquista, onde estudantes, técnicos e professores foram às urnas votar para escolher os novos gestores da Uesb. No campus de Conquista, cinco mesas foram destinadas ao momento de votação. Cada mesa recebeu um grupo de pessoas pré-estabelecido e foi posicionada em um local da universidade. O ponto de votação mais movimentado foi o da Biblioteca Central, onde os professores e técnicos-administrativos votaram.

O professor Paulo Roberto Pinto, que está no fim de sua gestão, compareceu para votação às 13h. Segundo ele, “nós temos três representantes da nossa universidade, dois docentes e uma docente capacitados, e que bom que a nossa instituição coloque para toda comunidade acadêmica opções tão importantes e capazes de conduzir a instituição”.  A pró-reitora de extensão Maria Madalena Anjos também marcou presença no momento de votação e afirmou que “esse processo democrático em que as pessoas escolhem livremente os candidatos que representam o que cada um quer para a universidade é muito importante”.

“Que bom que a nossa instituição coloque para toda comunidade acadêmica opções capazes de conduzí-la”, disse Paulo Roberto Pinto, atual reitor da Uesb. Foto: Avoador.

Mesmo com o voto paritário, os estudantes não deixaram de fazer parte do processo eleitoral da Uesb. A aluna Micheli Carvalho, do curso de bacharelado de Biologia, explica que a votação “é importante porque a gente está decidindo o futuro da Uesb”. O aluno de Ciências da Computação, João Ribeiro, completa dizendo que “a Uesb precisa de uma nova gestão de verdade, porque a antiga já não estava das melhores”.

Segundo o presidente da Comissão Eleitoral, Jorge Augusto, a votação durante o dia teve alguns problemas, mas todos foram rapidamente resolvidos. “O atraso se deu porque alguns mesários faltaram e tivemos que colocar suplentes”, disse. Outro problema foi a apresentação do documento de identificação, que foi ampliada para qualquer documento com foto, a pedido da chapa 3 – Tempo de replantar sonhos, mas que, de início, não foi acatada pela chapa 1 – Alternativa acadêmica. Depois de intervenção da Comissão, a solicitação da chapa 3 foi mantida.

Na ata de votação da mesa 2, que inclui os discentes do curso de História, foram mencionados dois estudantes já graduados que tentaram votar, segundo eles, a pedido do coordenador do Colegiado do curso. Mas os mesmos foram impedidos pela Comissão Eleitoral por não constarem na lista de matriculados.

Não somente alunos de graduação votaram. Os matriculados na pós-graduação, como Nayla Santos, do mestrado de Letras e Linguagens, conta que “mesmo que a escolha dos votantes possa não ser respeitada pelo governo do estado, eu acredito que esse é um momento muito importante dentro da academia e encorajo a participação de todos”. Essa possibilidade que o governador tem de escolher um dos três candidatos mais votados também é crítica dos candidatos à reitoria.

Apuração dos votos se estendeu entre às 23h dessa quarta-feira e às 3h30min da madrugada de hoje, 12.

 

Tanto Márcia Lemos quanto Daniel de Melo e Luiz Otávio se posicionaram e criticaram a interferência do governo do estado na autonomia da universidade. Os candidatos explicaram que é uma atitude antidemocrática e é resquício do período ditatorial. Quanto a isso, os candidatos assumiram a responsabilidade de não aceitar outra nomeação que não seja a da chapa escolhida pela comunidade acadêmica.

A candidata Márcia Lemos esteve presente na Biblioteca Central até um pouco antes do encerramento da votação. Já os candidatos Daniel de Melo e Luiz Otávio- permaneceram no local e seguiram para apuração no ginásio de esportes. A comissão eleitoral, junto aos fiscais e apoiadores das chapas concorrentes, se dividiu entre duas mesas para apurar os votos do campus de Conquista.

Confira os gráficos com o resultado da votação, de acordo ao total geral de votantes e ao número de votos por categoria (estudantes e servidores):

Gráficos: Bárbara Francine. Fonte: Comissão Eleitoral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *