Em 8 meses, 252 idosos morreram de covid-19 em Conquista

Do total, 60 pessoas estavam na faixa etária dos 70 anos, dos quais 11 moravam no Bairro Brasil 22 de setembro de 2021 Beatriz Oliveira, Gabriela Matias, Gabriela Souza, Mariana Oliveira, Mikhaelle Piagio

Das 356 mortes registradas por covid-19 em Vitória da Conquista, ao longo dos oito primeiros meses de 2021, 252 foram de pessoas idosas, o equivalente a 70,7% do total de óbitos contabilizados entre janeiro e agosto. A faixa etária mais afetada foi de indivíduos entre 70 e 79 anos anos, sendo o bairro Brasil o que mais registrou mortes, com 11 óbitos nessa faixa.

O bairro Brasil também foi destaque na quantidade de mortes registradas neste período: 37 pessoas, ou seja, 10,3% dos 356 óbitos. De acordo com o Plano Estratégico da Prefeitura de Conquista de 2020, baseado no último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, este bairro fica em segundo lugar no ranking dos mais populosos, concentrando 10,4% do total de domicílios da cidade (60 mil), atrás do Patagônia, com 12% dos domicílios. Em terceiro lugar, está o bairro Zabelê, com 10,2%. 

Destes 37 falecimentos no bairro Brasil causados pela covid-19, 25 são do sexo masculino. Já o maior número de mulheres mortas pela covid-19 é do bairro Alto Maron, com 19 óbitos no mesmo período. 

Em março deste ano, 47 pessoas morreram por complicações causadas pelo novo coronavírus, com idades entre 60 a 100 anos. No mesmo mês, somado a maio e junho, seis pessoas com etariedade de 0 a 29 anos foram vítimas da doença. Um bebê com apenas seis meses, falecido em 14 de abril, e uma idosa de 101 anos, que veio a óbito em 24 de janeiro, foram a pessoa mais jovem e a mais velha, respectivamente, a perderem a vida para a covid-19.

Ainda segundo o Plano Estratégico de 2020, os bairros com mais domicílios sem nenhum tipo de esgotamento sanitário em Conquista são o Patagônia, Cruzeiro, Espírito Santo, Lagoa das Flores, Campinhos e Jatobá. No mesmo Plano, foi observado que os bairros com menos ou nenhum domicílios sem nenhum tipo de esgotamento sanitário eram Candeias, Boa Vista, Recreio, Felícia, Ibirapuera, Bairro Brasil e Alto Maron.

Com base neste critério, o Site Avoador considerou Patagônia, Cruzeiro, Espírito Santo, Lagoa das Flores, Campinhos e Jatobá como os bairros de classes sociais mais baixas, e Candeias, Boa Vista, Recreio, Felícia, Ibirapuera, Bairro Brasil e Alto Maron, de classes média a alta. Entre os bairros considerados de classes média a alta do município, Brasil, Alto Maron e Candeias contabilizam, juntos, 96 mortes devido ao coronavírus. Já as vítimas das áreas da classe baixa, Patagônia, Cruzeiro, Espírito Santo e Lagoa das Flores, totalizam 40 mortes.

Dos 26 distritos e povoados pertencentes a Vitória da Conquista que tiveram perdas para a doença, entre esses oito meses, 30 mortes foram registradas no período. Dentre eles, Inhobim, Pradoso, José Gonçalves e Bate Pé foram os que registraram mais mortes, dois óbitos em cada. Em 22 distritos e povoados, houve uma única morte por localidade.

Durante a contabilização destes dados, não foram encontrados no site da Prefeitura os seguintes Boletins Epidemiológicos: 28/04, 07/05, 08/05, 09/05, 21/05, 18/07, 29/07, 07/08, 22/08 e 29/08. No BE do dia 24 de janeiro consta a morte de um homem de 69 anos, mas não foi informado o bairro onde ele morava. O mesmo ocorreu nos BEs do dia 14 de abril, no qual não foram informados o sexo e o bairro do bebê de seis meses; do dia 28 de abril, quando não foram informados os bairros dos três óbitos daquele dia; e de 15 de maio, dia em que faleceu um homem de 58 anos, também sem informações sobre seu bairro.

Erramos: O Avoador calculou errado o total de óbitos no período de janeiro a agosto de 2021. Em vez de 365 mortes, como anunciado no dia 4 de setembro, houve 356. Destes, 152 eram mulheres e 204, homens.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *