Sofrimento mental causado pela pandemia afeta os sonhos, segundo pesquisa

Observar os sonhos pode ser uma forma de identificar, precocemente, prejuízos na saúde mental 30 de novembro de 2020 Felipe Ribeiro

Uma pesquisa publicada nesta segunda-feira (30/11) na revista Plos One mostrou como a pandemia tem afetado negativamente os sonhos das pessoas. O estudo desenvolvido por uma equipe de 13 pesquisadores do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (ICe/UFRN) contou com 67 participantes que atuaram antes e durante o período pandêmico.

Para obter os resultados, foi utilizado o aplicativo InterviewerApp, desenvolvido pelos pesquisadores, para coletar e ter acesso aos relatos de memória dos participantes. Além disso, foram utilizadas ferramentas que medem a proporção de palavras emocionais e realiza uma comparação com uma lista montada e validada para calcular a proporção de conteúdo emocional.

Os sonhos de antes e durante a pandemia diferem. No período pandêmico, os sonhos tiveram uma proporção maior de palavras ligadas a sentimentos como raiva e tristeza, além de semelhança a expressões como “limpeza” e “contaminação”. Dessa forma, percebe-se como os sonhos estão ligados ao sofrimento mental, medo de contrair o vírus e mudanças no cotidiano. Isso pode estar associado com o sofrimento mental conectado a isolamento social, já que explicaram 40% da variância na subescala negativa,  relacionado à socialização. Como medida de escala foi utilizada a Panss (Escala de Síndrome Positiva e Negativa), que escalona o quão grave está a esquizofrenia de um paciente.

A pesquisa teve os principais resultados a partir de pessoas que não relataram ter sofrimento mental previamente.  Dessa forma, conclui-se que é fundamental dar atenção aos sonhos, pois pode servir como alerta de prejuízos sendo causados à saúde mental. A psiquiatra, neurocientista e supervisora do estudo, Natalia Mota, disse que os sonhos são importantes para a autocompreensão. “Dessa maneira, percebemos os sonhos como importante espelho desse mundo interno, demonstrando serem importante fonte de auto-conhecimento”, ressaltou.

Fonte: Agência Bori

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *