Poções inspeciona os passageiros de ônibus vindos de São Paulo

A equipe de Vigilância em Saúde do município instalou barreiras sanitárias nas entradas da cidade para coletar as informações dos que chegam ao município 5 de abril de 2020 Leila Costa e Raquel Rocha

Em meio à pandemia de covid-19, a chegada de passageiros da região Sudeste, especialmente de São Paulo, foco da epidemia do país, tem provocado preocupação na população e no poder municipal em Poções, na Bahia. No dia 2 de março, dois ônibus chegaram da capital paulista na cidade e os passageiros foram inspecionados em um posto de gasolina, localizado na BR116, por uma equipe de Vigilância em Saúde municipal que instalou barreiras sanitárias nos locais de acesso ao município.

De acordo com a estudante de Química da Uesb, Erica Roza, que mora próximo ao terminal rodoviário, é preocupante essa situação. “A gente fica com medo porque não sabemos quem está infectado. Eu moro com mais duas pessoas e todos nós estamos no grupo de risco, então a gente fica com medo e cada vez mais isolados.”

Um cidadão de Poções chegou até a mandar uma mensagem ao governador da Bahia, Rui Costa (PT), na coletiva transmitida pela internet no dia 2 de março, questionando sobre essa a situação. Segundo o governador, muitos baianos estão voltando para casa, já que as empresas deram férias coletivas aos funcionários. “Muitos que moram fora, ou com saudade da família, ou fugindo da contaminação, que está grande em São Paulo, estão voltando ao seus estados de origem, pra ficar com sua família”. Rui Costa disse ainda que não tem como impedir o retorno dessas pessoas ao seu lugar de origem e o que pode fazer é ajudar os municípios no monitoramento.

No dia 2 de março, dois ônibus chegaram da capital paulista na cidade e os passageiros foram inspecionados em um posto de gasolina, localizado na BR116. Foto: Anônimo

Já o coordenador municipal da Vigilância em Saúde, Wesley Freitas, relatou que as barreiras sanitárias estão funcionando e coletam as informações de quem chega na cidade: nome, local onde ficarão hospedados, medição de temperatura e anotação dos sintomas. Depois desse processo, as pessoas são aconselhadas a ficarem em quarentena enquanto são monitoradas pela Secretaria de Saúde do município.

Ele explicou ainda que, apesar de a fiscalização ter sido reforçada, muitas pessoas que chegam ao município optam por entradas clandestinas e de chão, o que dificulta o monitoramento. “A gente tem mais de trinta portas de entradas no município. Não temos pessoas suficientes, nem pessoal de guarda, polícia, para conter todo esse pessoal”, disse.

A Prefeitura também tem buscado preparar os recursos humanos e criar uma estrutura mínima para atender as vítimas de coronavírus na cidade. Na UPA (Unidade de Pronto Atendimento), os profissionais receberam treinamento para uma possível confirmação da covid-19. No Ginásio de Esportes, foi criada uma estrutura com novos leitos. “Se a população não tomar consciência, vamos ter casos aqui na cidade e vai aumentar a quantidade de infectados, o que vai sobrecarregar o serviço de saúde. É preciso esperar esse pico de evolução da doença passar”, explicou o coordenador municipal da Vigilância em Saúde.

Na último boletim diário, divulgado no dia 4 de abril pela Secretaria de Saúde do Município, não há casos confirmados de covid-19 em Poções. São 10 notificados, dois descartados, dois que aguardam resultado e 661 casos oriundos de áreas de risco que estão em monitoramento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *