6 de julho de 2020

#FALSO| Não há comprovação científica de que Hidroxocloroquina e Ivermectina previnam a covid-19

Mensagem enganosa contraria pesquisas científicas, não apresenta fontes e usa indevidamente o logotipo da Prefeitura de Conquista

Circula nos grupos de WhatsApp a informação falsa de que medicamentos como Ivermectina e Hidroxicloroquina associados a outras substâncias podem ser utilizados para prevenir a covid-19. Uma imagem, que usa o brasão de Vitória da Conquista e divulga um “tratamento precoce” supostamente indicado por médicos da cidade, chamou a atenção nesta segunda-feira (06/07). A peça de desinformação recomenda doses dos remédios e estimula a disseminação da “receita”. A publicação não contém assinaturas de médicos ou qualquer outro órgão oficial de saúde, apenas apresenta o título “Comitê para o combate ao coronavírus”.

A Prefeitura de Conquista possui um Comitê Gestor de Crise (CGC) criado para coordenar as ações de enfrentamento à doença no município. Mas, por meio de nota, a Secretaria de Comunicação (Secom/PMVC) esclareceu que não é a responsável pela divulgação da imagem e disse que desconhece a autoria do suposto tratamento divulgado pelo WhatsApp. “É importante ainda reforçar que nenhum servidor público tem autorização para utilizar o logotipo do Governo Municipal em materiais de divulgação sem a devida autorização da Secretaria de Comunicação”.

Ivermectina

A Secretaria de Comunicação da Prefeitura (Secom/PMVC) esclareceu que não é a responsável pela divulgação da imagem e disse que desconhece a autoria do suposto tratamento divulgado pelo WhatsApp.

Além da ausência de fontes e do uso indevido do logotipo associado à Prefeitura, a mensagem enganosa contraria evidências científicas já divulgadas sobre o uso da Hidroxicloroquina e da Ivermectina no tratamento da covid-19. Neste sábado (04/07), a Organização Mundial da Saúde (OMS), suspendeu definitivamente os testes com Hidroxicloroquina em pacientes hospitalizados pelo mundo. As pesquisas com o medicamento já haviam sido suspensas outras duas vezes pela OMS nos meses de maio e junho, mas foram retomadas depois que a credibilidade dos estudos que apresentaram a ineficácia do medicamento foi questionada.

Segundo o comunicado oficial da OMS, “os resultados de ensaios interinos mostram que a hidroxicloroquina e o lopinavir/ritonavir produzem pouca ou nenhuma redução na mortalidade de pacientes internados com a covid-19 quando comparados ao padrão de atendimento”. O médico e escritor, Drauzio Varella, também já alertou sobre o perigo da automedicação, ou seja, a prática de tomar medicamentos sem prescrição médica, por indicação de um amigo, vizinho ou de uma mensagem enganosa no WhatsApp. Segundo Varella, a Hidroxicloroquina pode causar arritmias cardíacas e não deve ser utilizada por mulheres grávidas e pessoas com problemas hepáticos, por exemplo.

Ivermectina e covid-19

Assim como a Hidroxicloroquina, a Ivermectina também tem sido apontada nas redes sociais como medicamento eficaz na prevenção da covid-19. Ao contrário do que dizem médicos em vídeos no Youtube e outros tipos de publicações na internet, não há comprovação científica sobre a eficácia do medicamento. Os pesquisadores da Rede CoVida, composta por cientistas da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e da Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), emitiram uma nota técnica para alertar sobre os efeitos colaterais do antiparasitário.

Após a divulgação de um estudo na revista Antiviral Research, que mostrou a capacidade do remédio inibir a replicação do vírus da covid-19 in vitro, a Ivermectina passou a ser considerada a nova “cura” do coronavírus. Mas a mesma pesquisa aponta que ainda é necessária a realização de testes em seres humanos, já que até agora só foram feitos experimentos in vitro, que é uma fase muito preliminar de pesquisa realizada em ambientes controlados e fechados de um laboratório, em tubos de ensaio. Entidades como o Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) também já se posicionaram contra o uso da medicação sem prescrição médica.

Portanto, a mensagem que circula no WhatsApp sobre o “tratamento precoce” da covid-19 com um coquetel que inclui Ivermectina e Hidroxicloroquina é FALSA. Não existe ainda comprovação científica da eficácia desses remédios no combate ao novo coronavírus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *