6 de julho de 2020

#FALSO| Não há comprovação científica de que Hidroxocloroquina e Ivermectina previnam a covid-19

Mensagem enganosa contraria pesquisas científicas, não apresenta fontes e usa indevidamente o logotipo da Prefeitura de Conquista

Circula nos grupos de WhatsApp a informação falsa de que medicamentos como Ivermectina e Hidroxicloroquina associados a outras substâncias podem ser utilizados para prevenir a covid-19. Uma imagem, que usa o brasão de Vitória da Conquista e divulga um “tratamento precoce” supostamente indicado por médicos da cidade, chamou a atenção nesta segunda-feira (06/07). A peça de desinformação recomenda doses dos remédios e estimula a disseminação da “receita”. A publicação não contém assinaturas de médicos ou qualquer outro órgão oficial de saúde, apenas apresenta o título “Comitê para o combate ao coronavírus”.

A Prefeitura de Conquista possui um Comitê Gestor de Crise (CGC) criado para coordenar as ações de enfrentamento à doença no município. Mas, por meio de nota, a Secretaria de Comunicação (Secom/PMVC) esclareceu que não é a responsável pela divulgação da imagem e disse que desconhece a autoria do suposto tratamento divulgado pelo WhatsApp. “É importante ainda reforçar que nenhum servidor público tem autorização para utilizar o logotipo do Governo Municipal em materiais de divulgação sem a devida autorização da Secretaria de Comunicação”.

Ivermectina

A Secretaria de Comunicação da Prefeitura (Secom/PMVC) esclareceu que não é a responsável pela divulgação da imagem e disse que desconhece a autoria do suposto tratamento divulgado pelo WhatsApp.

Além da ausência de fontes e do uso indevido do logotipo associado à Prefeitura, a mensagem enganosa contraria evidências científicas já divulgadas sobre o uso da Hidroxicloroquina e da Ivermectina no tratamento da covid-19. Neste sábado (04/07), a Organização Mundial da Saúde (OMS), suspendeu definitivamente os testes com Hidroxicloroquina em pacientes hospitalizados pelo mundo. As pesquisas com o medicamento já haviam sido suspensas outras duas vezes pela OMS nos meses de maio e junho, mas foram retomadas depois que a credibilidade dos estudos que apresentaram a ineficácia do medicamento foi questionada.

Segundo o comunicado oficial da OMS, “os resultados de ensaios interinos mostram que a hidroxicloroquina e o lopinavir/ritonavir produzem pouca ou nenhuma redução na mortalidade de pacientes internados com a covid-19 quando comparados ao padrão de atendimento”. O médico e escritor, Drauzio Varella, também já alertou sobre o perigo da automedicação, ou seja, a prática de tomar medicamentos sem prescrição médica, por indicação de um amigo, vizinho ou de uma mensagem enganosa no WhatsApp. Segundo Varella, a Hidroxicloroquina pode causar arritmias cardíacas e não deve ser utilizada por mulheres grávidas e pessoas com problemas hepáticos, por exemplo.

Ivermectina e covid-19

Assim como a Hidroxicloroquina, a Ivermectina também tem sido apontada nas redes sociais como medicamento eficaz na prevenção da covid-19. Ao contrário do que dizem médicos em vídeos no Youtube e outros tipos de publicações na internet, não há comprovação científica sobre a eficácia do medicamento. Os pesquisadores da Rede CoVida, composta por cientistas da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e da Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), emitiram uma nota técnica para alertar sobre os efeitos colaterais do antiparasitário.

Após a divulgação de um estudo na revista Antiviral Research, que mostrou a capacidade do remédio inibir a replicação do vírus da covid-19 in vitro, a Ivermectina passou a ser considerada a nova “cura” do coronavírus. Mas a mesma pesquisa aponta que ainda é necessária a realização de testes em seres humanos, já que até agora só foram feitos experimentos in vitro, que é uma fase muito preliminar de pesquisa realizada em ambientes controlados e fechados de um laboratório, em tubos de ensaio. Entidades como o Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) também já se posicionaram contra o uso da medicação sem prescrição médica.

Portanto, a mensagem que circula no WhatsApp sobre o “tratamento precoce” da covid-19 com um coquetel que inclui Ivermectina e Hidroxicloroquina é FALSA. Não existe ainda comprovação científica da eficácia desses remédios no combate ao novo coronavírus.

5 respostas para “#FALSO| Não há comprovação científica de que Hidroxocloroquina e Ivermectina previnam a covid-19”

  1. Klara disse:

    Falso são vocês.

  2. LUIZ CARLOS MARTARELLO disse:

    Não é falso, vocês torcem contra. Funciona e muito bem por experiência própria não só minha como de várias outras pessoas.

  3. Dercio Conceicao disse:

    Não há mesmo “comprovação científica” alguma, porém na vida prática há sim caudalosas “comprovações clínicas” de que esses medicamentos são eficazes no tratamento iniciado logo nos primeiros dias da enfermidade. As dezenas de milhares de médicos de todo o Brasil que aplicam o tratamento está salvando legiões de enfermos, mas a Imprensa do Mal está escondendo isso da população. Basta procurar no YouTube com a expressão “Tratamento Precoce”. Impressionante como ainda há quem diga (começando pelo Mandetta) que o Protocolo de Tratamento Precoce é ineficaz, não tem comprovação científica e ainda faz mal à saúde. Afirmar isso nos dias de hoje é uma simples questão de estar ou não bem informado. Há cerca de 10 meses que o tratamento está sendo feito com indiscutível sucesso. Jornal Correio Braziliense, 26.Ago.2020: “Nesta semana, convergiram ao Palácio do Planalto 100 médicos de todos os estados, representando um grupo de mais de 10 mil médicos, chamado Brasil Vencendo a Covid-19”. Como bem dizem alguns, entre os negacionistas desse tratamento, se não estiverem fingindo demência, sempre haverá uma pessoa do tipo “Lula Livre” ou “Ele Não”.

  4. Ester disse:

    Falsa é a sua reportagem! Há milhares de medicos mostrando resultados que esses medicamentos estão conseguindo. Não entendo o esforço de tantos em deixar que as pessoas morram. Vcs são uns mo stros

  5. Ester disse:

    Falsa é a sua reportagem! Há milhares de medicos mostrando resultados que esses medicamentos estão conseguindo. Não entendo o esforço de tantos em deixar que as pessoas morram. Vcs são uns mo stros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *